terça-feira, 17 de maio de 2011

A FINAL DA MENTIRA

Ela aí está, vai disputar-se daqui a poucas horas e, como já o disse e escrevi, entre as duas mais indignas equipas de todo o futebol mundial. Mais uma que outra, como é óbvio. Há pessoas, sobretudo entre os meus correligionários benfiquistas que, preferindo ignorar toda a podridão que exala um fedor nauseabundo proveniente da lixeira a céu aberto que é o futebol deste país, dão em atacar a esmo tudo o que concerne ao Benfica, e com tal veemência que tornam os ataques dos nossos próprios inimigos, bem mais brandos. Mas eu não me calo nem calarei e insistirei sempre no mesmo discurso e na mesma denúncia. 
Digo e afirmo que esta final da Liga Europa não passa duma refinada mentira porque se trata, de facto, duma final viciada, sempre pela mesma organização á qual pertence um dos finalistas. Senão reparem: esse dito Clube, sem nada que o justifique, nem plantel nem estofo, nunca perde, nem sequer falha nos momentos decisivos. Mesmo as grandes equipas mundiais, constituídas por selecções de autênticos fenómenos de praticantes, nunca dão como garantida a vitória em qualquer jogo e, não poucas vezes, tem acontecido que a mais favorita delas acaba por sair derrotada, porque uma das grandes atracções do futebol é a incerteza do resultado. Porém, com o grupo dessa sinistra organização do futebol do Porto, nada disso segue qualquer via lógica ou racional. Existe nele uma tal certeza da vitória que chega a ser obscena; e eles lá saberão porquê. Só que eu também sei: usam a trapaça do doping, de forma sofisticada e científica. É uma convicção que me fica; querem derrotá-los? É muito fácil; ide por mim e faça-se como Dalila fez ao cortar os cabelos a Sansão, arranje-se maneira de lhes cortar o doping; antes de qualquer jogo importante exija-se um controle anti-doping, rigoroso e sério, e hão-de ver como lhes estalará o verniz numa vozearia de desespero e como essa arrogante e cega confiança se esfumará, pondo-os a tremer como varas verdes e a rabiar de impotência. E vos garanto que quando, porventura, tal acontecer, em muito poucos jogos conseguirão cantar vitória. Faz-me lembrar o brigão mafioso quando enfrenta um inimigo seu e que para o desancar a seu bel-prazer, manda segurá-lo por dois ou três dos seus musculosos capangas. 
Esta final é uma farsa porque, para lá chegar, esse grupo da organização do Freixo utilizou, como tão bem o sabe fazer, a batota e a trafulhice que, como todos puderam constatar, começou com o Sevilla e terminou no jogo com o VillaReal quando, já no tapete ao fim da primeira parte, em escassos trinta minutos e como que por inaudito milagre, conseguiu destroçar os espanhóis. Dopagem, clara e simples! Por sua vez, esta final é também um embuste porque se vai realizar entre duas equipas pertencentes á mesma organização e que obedecem ao mesmo dono, onde uma delas assume papel secundário servindo de muleta á caminhada vitoriosa da outra, a principal. Que pensam os meus amigos sobre o que irá fazer o Braga neste jogo?! Toda a gente o sabe muito bem; vai prestar tributo aos corruptos, vai fingir que compete, mas o papel dele será o de colaborar e servir de pretexto para que o prélio se possa realizar, no entanto, já com tudo previamente combinado. Ou alguém de boa-fé terá sequer alguma dúvida sobre o seu desfecho?!  A mentira será ainda mais ignóbil por se tratar de um jogo entre amigalhaços onde um se apresenta como dominador consentido. 
Mas há mais. No nosso campeonato, enquanto o Benfica tem de competir a sério e com esforço -como assim deve ser - para conseguir as suas vitórias e êxitos, esse dito clube de Contumil, ou porque lhe é estendida uma passadeira de vassalagem, ou porque eles próprios deitam mão dos seus recursos trapaceiros, não despendem qualquer esforço, fazendo apenas um reconfortante passeio.
Podereis dizer, muitos de vós, que eu avento esta tese e manifesto esta ideia por ressabiamento de não ser o Benfica um dos finalistas. Afirmo-vos com sinceridade que não é o caso, pois se existe alguma consolação na tristeza que foi a eliminação do nosso Clube, ela provém do facto de ser um mal menor em relação ao que seria ter por adversário um contendor tão abjecto e que a mim me repugnaria enfrentar. Torna-se evidente que se, em vez do Braga, o outro finalista fosse o Benfica, este seria sadicamente vilipendiado pois, pelos motivos apontados, não lhe seria permitido qualquer ensejo de vencer.  
Poderão apelidar-me de mentecapto pelo que estou a expressar, contudo, são fortes convicções minhas e estou certo de que, num qualquer futuro dia, todos as irão constatar e reconhecer, ande eu por cá, ou não. 
Resta-me ignorar tal gente, pois taças e campeonatos desses existem nos supermercados á disposição de quem os possa e queira comprar ou até, se não houver dinheiro, de os roubar; tanto dá! 


7 comentários:

Anónimo disse...

sou da mesma opiniao . parabens pelo seu bog. jose l pais

máfia disse...

mais'nada
agora que levem bolas de golfe porta chaves e muita fruta pode ser que os reis de inglaterra queiram juntar-se a festa dos corruptos do norte ..

FireHead disse...

Embora já se saiba de antemão qual será o desfecho de amanhã, quero também conseguir acreditar que os de Braga farão jus à condição do jogo das suas vidas e procurem tentar contrariar o favoritismo dos Andrades. Até porque custa-me a acreditar que uma equipa, mesmo que sendo a dum clube submisso ao rival que defrontará amanhã, que chegou à final duma competição europeia depois de, como "outsider", ter despachado adversários com maior peso, como é o caso do Benfica, entregue agora de mão beijada o título aos outros. Não creio que os jogadores, que são profissionais, estejam dispostos a fazer o papel de cabeçudos.
Em relação a nós, só de pensar que na época passada podíamos perfeitamente ter ganho a Liga Europa (ganhou-a o Quique Flores) e sermos despachados de Liverpool com uma equipa cansada, porque todos preferiram apostar na porcaria do campeonato em detrimento da Liga Europa (uma estupidez autêntica), ainda me sinto mal. A eliminação frente ao Liverpool, que foi despachado esta época pelos de Braga, ainda me está atravessada na garganta. E partindo do princípio que os Andrades vencerão a Liga Europa deste ano, mais motivos o Benfica agora terá para ser relegado novamente para a Liga Europa na próxima época e também nas que vêm. É urgente, mais do que ser campeão nacional, recuperar já a glória europeia. E se os Andrades ganharem amanhã, que é o que todos esperam, será necessário o Benfica vencer logo umas duas, três ou mesmo mais Ligas Europas para os conseguirmos apanhar em termos de títulos internacionais. A segunda competição da UEFA está mais acessível que no passado, está nivelada para baixo, e o Benfica pode pensar seriamente em dedicar-se a ela (a Champions é para esquecer, pois é difícil o Benfica ombrear com Reais ou Barças, e se tudo correr com normalidade, os Andrades continuarão na Champions por muitos bons anos seguidos, passando sempre da fase de grupos). Que nos interessa um Benfica grande apenas em Portugal se o clube tem dimensão internacional? A sério, só de pensar em tudo isso até me dói. Espero não morrer sem ver o Benfica voltar a conquistar um título internacional. Duas finais perdidas (1988 e 1990) já são demasiadas. Quem é que mandou ao Benfica perder as seis finais em que marcou presença?
A culpa é de quem votou no Manuel Damásio.

RIVUS disse...

Preclaro FireHead; concordo com tudo o que diz menos com a apreciação que faz do Braga; ela estaria correcta se esse Clube fosse como o de outros tempos. Agora não, não tem espinha dorsal, não tem pundonor, não tem ambição e só o facto de ir á final para ele já é uma uma glória e com isso se contenta. Não tem os recurso variados dos andrades, o seu presidente é um capanga alinhado, o treinador não o pode ser mais, muitos dos seus jogadores sentem prazer na submissão e, vá-se lá saber porquê, toda essa gente nutre o mesmo irracional e costumeiro ódio pelo Benfica como todos os demais. Por isso, nada espero nem sequer acho possível um cenário diferente. Quanto ás seis finais que perdemos ... bom, tirando uma delas, veja quem nos calhou como adversário. Não foram Mónacos nem Celtics.

Dylan disse...

Essa teoria do Sansão e da Dalila nunca tinha pensado. Olhe que é capaz de ter razão...
É retemperador lê-lo, ainda para mais depois dos últimos acontecimentos desportivos. Olhe, parece que lá para os lados de Dublin ninguém conhece as equipas em questão. Porque será?...

Dylan disse...

N. B.

Aquele meu comentário no "Benfiquistas desde pequeninos" nunca foi apagado. Fui eu que o corrigi. Obrigado por ter intercedido.

FireHead disse...

Amigo RIVUS, as finais são para ser ganhas e não nos podemos desculpar com os adversários que nos calharam. Não ganhámos nós, como outsiders, as nossas primeiras duas finais da Taça dos Campeões? E não as perdemos depois já na condição de favoritos? Sim, o AC Milan, o Inter, o Manchester United ou o PSV Eindhoven não eram, até nos defrontarem, campeões da Europa. Do mesmo modo ganharam os Andrades ao super favorito Bayern em 1987 ou ao Ajax na supertaça europeia...
Desejo que o Benfica chegue o quanto antes a uma nova final europeia. E como é impossível isso acontecer na Champions (pelo menos enquanto o Benfica não tiver uma forte estrutura), que seja na Liga Europa!