quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

LEGENDAS DE GLÓRIA

Estive ontem a ver na BTV o programa "Vitórias e Património" sobre o nascimento do Benfica e no capítulo da legenda do seu emblema, "e pluribus unum", verifico que o seu significado não é aquele que já se encontra aceite e entendido de uma forma consensual e definitiva como querendo dizer "um por todos e todos por um": nada disso, não tem nada a ver. Sempre reparei nesse erro e, perdoem-me os meus amigos benfiquistas, mas entendo que será este o momento de manifestar o meu desacordo e a minha opinião sobre o assunto. Este é também o lema nacional dos Estados Unidos e traduzido á letra quer dizer: com muitos se faz um só! Subentende uma ideia de união e não de entre-ajuda, se bem que em casos desta natureza existe sempre uma ajuda comum no sentido do engrandecimento da Entidade que resultou dessa União. Não pretendo dar lições a ninguém nem construir qualquer tese mas, quem souber latim ou tiver um curso do mesmo, logo dá pelo erro e pela divergência, porque se trata apenas de uma tradução mal feita da referida locução. 
O Latim é uma língua considerada morta por já não ter expressão falada em nenhum povo do mundo e deu origem ás chamadas línguas latinas, como o nosso português, o castelhano, o francês, o italiano e mais algumas; língua muito bela, faz parte dessa beleza a particularidade da "construção" das suas frases, onde muitas vezes o sujeito aparece no fim do parágrafo, outras no meio, o predicado em algum lugar desfasado, os complementos muito baralhados ao longo do texto e que o parecem tornar ininteligível. Ora, uma das acções mais primordiais - e bem difíceis - para se fazer uma boa tradução de textos latinos consiste em organizar a chamada "construção" de forma a colocar as palavras na devida ordem da sintaxe gramatical tornando-as, por assim dizer, muito mais a jeito de facilitar a tarefa. 
E assim, vejamos: examinemos então, uma por uma, estas três palavras da legenda inscrita no nosso emblema: o e, (que se lê mesmo ê e não i, como em português) é a apócope de ex, uma preposição que indica proveniência, a partir de, e pede o caso ablativo, daí o pluribus, ablativo plural do adjectivo plus cujo significado se entende por muitos, muita gente, multidão. Unum pois, é o género neutro de unus, nome latino da unidade e, como todos sabem, também significativo de único. Tudo isto indica que a Instituição Benfica é constituída por uma multidão de gente, o povo, e que todos unidos devem agir e trabalhar no sentido de a tornar grandiosa e única, como tem vindo a acontecer. Portanto e posta a locução na sua ordem traduzível, teríamos - Unum e pluribus, desta forma muito mais simples de entender; como fica claro, um só, proveniente de muitos; um único, saído duma multidão.
Como se pode verificar, isto não tem nada a ver com o conceito, a meu ver errado, (quanto á filologia, entenda-se) com a também célebre e gloriosa legenda dos mosqueteiros; um por todos e todos por um, a qual se poderia retroverter, mais ou menos, da seguinte forma;- pro omnibus unum, omnes pro uno.
Mas perdoem-me os meus amigos benfiquistas esta minha interpretação, assente na verdade, não fiquem preocupados e descansem que a tradução correcta da nossa divisa em nada deslustra ou apouca o nosso grandioso Benfica, nem vai alterar nada na sua gloriosa história. Qualquer dos conceitos seguidos é lindo, denota magnificência e glória, se pode aplicar e fica bem na génese do nosso Clube. 
Fazendo um grosseiro paralelismo com o conhecido filme "Duelo Imortal" fica intrínseca a noção dessa legenda; a de que só pode existir um único imortal, asserção que se justapõe ao nosso Benfica com absoluta propriedade. Porque só o Benfica pode ser - e é - o Maior, o mais Belo, o único Imortal. 

3 comentários:

Esimest Korda disse...

Clemente Rodríguez e Nicolas Colazo apontados ao Benfica

Carlos Alberto disse...

Boas festas

RIVUS disse...

Meu bom amigo Carlos Alberto; dado que só neste momento após o Natal é que vim a este espaço, agradeço a sua atenção e retribuo os mesmos desejos.
Que o ano de 2012 lhe corra pelo melhor, dentro das medidas do possível.