quinta-feira, 24 de março de 2011

CANSAÇO E DESÂNIMO

Quando se trata de agir e de conseguir resultados de nada serve haver superioridade moral, invocação de grandiosidade ou cotejo de diferenças!  E eu já estou farto disso: que somos grandes, que temos duzentos e tal mil sócios, que temos isto e aquilo, que prezamos a seriedade e a verdade desportiva. Uma ova! E aqui, torna-se legítimo que eu pergunte; de que aproveita tudo isso para o fim que se pretende? Que não devemos retaliar isto e aquilo, que devemos mostrar que somos diferentes, que as atitudes dos agressores são iníquas e condenáveis. Uma ova! Volto a inquirir: na verdade, de que serve tudo isso? Quereis que vos diga? Serve de humilhação e de ridículo! Serve de gozo e de risota! Serve de tristeza e desânimo! 
Enquanto o Benfica se arvora em paladino dos bons costumes, os Criminosos apedrejam e atacam, enquanto o Benfica clama que é o maior, os Criminosos ganham tudo, enquanto o Benfica faz apelo a uma presumível força moral, os Criminosos coleccionam triunfos em todas as frentes, enquanto passamos o tempo a berrar como coitados, os Criminosos seguem, cantando e rindo, na senda dos triunfos. E, amigos, isso é o que ficará nos anais dos pergaminhos, pois no dia seguinte a tudo acontecer já ninguém se lembra de como tais triunfos foram conseguidos e sim do que vai ficar na história. Em tais assuntos a Justiça torna-se despropositada e sem cabimento. 
Somos ingénuos, somos pacóvios, não nos lembramos que no meio de um pântano não nos podemos dar aos luxos do caminho seguro dos tempos de paz. No meio dum pântano há que tentar sobreviver sem olhar a moralismos nem ter pruridos no uso dos respectivos meios para sair dele. Com enjoativo pesar o constato: o Benfica assumiu, de forma visível e deprimente, o complexo de capitulação perante os Criminosos, ao ponto de ser por eles derrotado, com todo o cunho duma inevitável fatalidade, seja em que lugar ou circunstância for; baskete, hóquei, andebol e muito mais. Triste sina!
Nunca vi ganhar guerras com festinhas e carícias. No princípio da Grande Guerra e no auge do seu poderio e agressão a Alemanha nazi bombardeou Londres, blasonando que em Berlim nunca haveria de cair uma bomba aliada. E que fez Churchil? Acobardou-se ou resignou-se, tentando agir com civilidade e lisura? Nada disso. Pegou num velho bombardeiro já quase desconjuntado e na sucata e mandou-o até Berlim lançar apenas uma pequena bomba. Nem cócegas fez, como se previa, mas o efeito psicológico foi devastador. 
Os Criminosos agridem-nos como querem, quando querem e da maneira que querem, zombando na nossa cara e eu, seguindo um conceito filosófico tão válido como outros, entendo que devemos retaliar e em força. Se nos considerarem violentos, mais vale do que nos chamem “patos bravos”, se nos interditarem o estádio, partir-lhe-emos os dentes noutro estádio qualquer, se nos humilharem na casa deles devemos enfrentá-los sem trégua e sem medo onde quer que nos encontremos. 
Enquanto o Benfica se mantiver nesta apagada expectativa de que alguma coisa possa mudar, nada irá conseguir e caminhará sempre por um soturno e mesquinho vale de sombras. As ervas daninhas não se podem exterminar com adubo mas sim com pesticidas e dos mais eficazes. 
Não existe grandeza quando se não luta por ela com heroísmo e determinação pois, como refere o axioma, dos fracos não reza a História. 
Acreditem que, depois de tantos anos e sem antever um fim para toda esta funesta situação, começam a apoderar-se de mim a desilusão e o cansaço. Sempre fui um homem  sociável e de paz, mas se algum chico-esperto me tentar agredir, estejam certos de que nunca lhe ajeitarei a outra face e, podendo, dar-lhe-ei o merecido troco!

7 comentários:

Manuel Oliveira disse...

Caro Rivus, compreendo o teu desânimo e concordo com a maioria das tuas opiniões aqui expressas. Só não concordo em retaliarmos da mesma forma. Porém, acho que os dirigentes do Benfica não têm feito tudo o que podiam e deviam para acabar com estas situações.

Se me permites vou postar isto para que mais benfiquistas (e não só) opinem.

Gostaria que seguises o meu Blog se for possível!

Abraço Glorioso.

Otto disse...

Apesar também desse sentimento, acho que o Benfica tem uma boa de acabar com esta brincadeira...e simples!! Não é o Pinto que se gaba de dizer que o Norte é todo do FCP, pois bem desafio a direcção do Benfica a ir estagiar ao Norte, mesmo ao Norte (por exemplo, o centro de estágios em Melgaço, muito frequentado pelo FCP e Braga, ou pelo Rubén Micael enquanto jogador do Nacional), e se, o Norte não é prioridade, então que se faço o estagio na Galiza junto à fronteira!! Se a onda começar no Norte, como deve de ser, é matar e um ataque mais duro e frio...pois por mais que o Pinto diga o Norte é Porto, nem 80% se revê nessas declarações!!! O FCP tem menos adeptos na sua cidade, Porto, do que o seu maior rival!!!!

FireHead disse...

Concordo na quase sua totalidade, apenas acho que não devemos baixar ao nível dessa corja. O que podíamos ter feito há imenso tempo era impugnar o campeonato, ou mesmo desistirmos dele - e logo se veria quais seriam as consequências catastróficas para a FPF.
Para começar, a culpa é nossa. Nós comemos e calamos. Porque é que não deram ouvidos à excelente proposta do Luís Filipe Vieira em boicotar os jogos realizados fora? Ok, eu sei que os benfiquistas que não podem deslocar-se à Luz para assistir aos jogos sentir-se-iam lesados por não poderem assistir ao vivo o Glorioso, mas há interesses comuns que têm de estar acima de qualquer interesse individual. Não tenho dúvidas de que se o boicote tivesse seguido em frente muita coisa teria abanado. Os chulos que tanto gostam de nos atacar continuam ávidos para parasitar às nossas custas e isso tudo tem que acabar.
Que nos juntemos todos, pois somos os maiores e se revoltarmo-nos temos tudo para fazer a diferença. Isso só lá vai com medidas drásticas, não com falinhas mansas. Com atitude e sem violência.
Dos fracos não reza a história mas também não há glória que dure para sempre. E a justiça, ainda que apenas a divina, nunca falha: pode tardar, mas há-de chegar. A corja abjecta um dia há-de ter o que merece.
Coragem!

RIVUS disse...

Meu bom amigo e caro sr. Manuel Oliveira: eu já conheço o seu blog que, se reparar, já venho seguindo há tempos. Quero agradecer-lhe a sua gentileza de citar o meu último post. Cumpre-me dizer-lhe que, embora por sistema seja um homem confiante e lutador, reconheço também que me custa engolir certas "oílulas", sobretudo quando me cheira a injustiça e podridão. Claro que, o que escrevi, não passa de uma opinião minha e era o que eu faria se tal estivesse nas minhas mãos, muito embora admita que pudesse estar errado. Mas que custa suportar certas iniquidades, lá isso custa!
Desculpe-me e grande abraço!

Dylan disse...

Então o meu amigo Rivus com estas magníficas prosas e não me diz nada?!

Vou acompanhar com curiosidade e escreva mesmo que a mão lhe doa.

Dylan disse...

Ah, vai gostar das ideias do FireHead...

RIVUS disse...

Caro Dylan: peço-lhe desculpa por não lhe ter dito nada desta minha iniciativa mas, na verdade, entrei nela de forma despretensiosa e só para desabafar. Acompanho sempre o seu, esse sim, magnífico blogue, com todo o gosto e atenção. No carnaval fui dar uma volta e parei em Fátima onde comi também num restaurante, o BENFIQUISTA e, aqui há uns anos que almocei em Arganil foi também num restaurante dedicado inteiramente ao nosso Clube. É natural que haja muitos mais por esse País fora, que o Benfica é muito GRANDE. A casa dos Corruptos em Monção está cheia de teias de aranha e parece um sítio assombrado; ah, pois está, que por lá o Benfica é, de longe, o Clube mais amado e eles são uma minoria como, aliás, sempre foram. O FireHead teve a gentileza de seguir o meu blogue e, embora o não conheça, guardo com atenção tudo o que ele vai dizendo. Caro Dylan: já há muito que não vou aí ao Porto mas, logo que tal aconteça, far-lhe-ei uma visita e terei o prazer de tomar um café consigo ... pelo menos. Abraço!