quarta-feira, 23 de março de 2011

O SUPREMO DESCARAMENTO

Foi há pouco noticiado que a Organização criminosa de futebol do Porto, pelos vistos, esboçou a condenação do ataque á comitiva do Benfica após o jogo em Paços de Ferreira. Mais valia que o não tivessem feito porque isso cheira a hipocrisia. Se o fizeram foi porque  a sua reles consciência os obrigou a tal ao perceberem que, fazendo-o, retirariam daí mais proveito que prejuízo em termos de imagem pública. Porém, lido o comunicado que emitiram, facilmente se extrai a conclusão de que a pretensão que eles buscam é a de uma abjecta vitimização, que igualmente pretendem utilizar como justificação dos desmandos que praticaram e ainda praticam. 
Que se diria se Hitler, o verdadeiro, através da sua máquina de propaganda e vendo-se confrontado com a pungente evidência dos campos de extermínio, os viesse a condenar e se fizesse de vítima injustiçada? Certamente, e se não se estivesse perante uma tragédia de dimensão cósmica, provocaria uma interminável e universal gargalhada! É o que acontece com o presente comunicado da Organização criminosa do Freixo, sem tirar nem pôr. O descaramento é tão grande que constitui um insulto e escarnece  todos aqueles que andam de boa fé dentro da sociedade em geral. 
Atiram-se com unhas e dentes ao ministro da Administração interna, atribuindo-lhe a culpa de todos estes trinta anos de gamanços, falsificações e crimes e nesse aspecto dou-lhes razão pois, se quem tinha a autoridade de os travar e punir e não o fez, com certeza é digno de acrimónia e censura. 
Levantam-se muitas vozes a clamar  que se não responda a esses cobardes actos com retaliações, prevendo que tais respostas poderão levar á interdição do estádio da Luz. Também assim penso e estou de acordo. Os benfiquistas devem mostrar-lhes o seu legítimo desprezo, porém, não resisto a uma pergunta: e se tal, por calamidade, vier a suceder, ele o Benfica teria algum medo ou receio de enfrentar os Porcos do Freixo noutro recinto qualquer? Entendo eu que seria até bem mais fácil derrotá-los fora do nosso Estádio! Reparai que chamei porcos a esses criminosos mas não voltarei a fazê-lo porque tal epíteto constitui uma ofensa a esses simpáticos animais, tão inofensivos como importantes para a nossa alimentação. A desprezível Associação de malfeitores das Antas já começa a colher as tempestades dos ventos que semeou e nada lhe adiantará tentar amainá-los agora. 
Para se conseguir uma descontaminação do ódio e dos malefícios que essa infame Quadrilha foi inoculando no desporto português - e mesmo no mundial - entendo que se deveriam afastar de forma radical do são convívio com outras Instituições desportivas, algumas pobres mas honradas. Enquanto essa Corja fétida não for expurgada dos energúmenos e criminosos que a dirigem, enquanto não se integrar no jogo sério e limpo, abjurando a batota, deverá ser banida e mantida afastada de todas as Entidades desportivas deste País para regeneração e paz das suas relações institucionais. Não tenhamos medo de o dizer;  são verdadeiros criminosos,  perigosos agitadores,  piratas sanguinários e ferozes e há que tratá-los como tal. Tudo o que for dito, escrito e falado no sentido de desculpar ou tentar justificar os actos desses facínoras não passará de conversa fiada, só lhes dará mais força, nada irá resolver e tudo ficará na mesma.

1 comentário:

FireHead disse...

Só mesmo quando o Pinto da Costa morrer e olhe que mesmo assim, não sei, não...