segunda-feira, 25 de abril de 2011

A MALDIÇÃO DE BELLA GUTMAN

Ao contrário das demais pessoas eu sou daqueles que acredito em bruxas e já tive a sensação de me ter cruzado com algumas delas pelo que, com muita mais razão, posso afirmar que “las hay” mesmo. Acredito, outrossim, no sobrenatural e em todas as suas manifestações, anátemas e bênçãos de fadas madrinhas. Desta forma, dou como verdadeira a célebre maldição do antigo treinador do Benfica, de seu nome Bella Gutman, após a conquista da segunda taça dos Campeões Europeus. Quer acreditemos quer  não, a verdade é que, até aos dias de hoje, ela se tem cumprido de forma absoluta e parece teimar em não se desfazer. Senão verifiquemos: na terceira final consecutiva, em Londres e contra o Milão, em que o favoritismo era nosso, logo se lesionou o Coluna e perdemos. Contra o Manchester em Wembley, a poucos segundos do fim,  o  Eusébio sozinho em frente do guarda-redes, falhou incompreensivelmente o golo da vitória. Tempos depois, jogamos uma final na casa do adversário, o Inter de Milão, debaixo de um verdadeiro temporal, em que o Costa Pereira foi substituído por lesão e perdemos a Taça, uma vez mais. Anos depois, contra o PSV, Diamantino, jogador fundamental na altura, assistiu ao desafio com uma perna engessada, sentado numa cadeira de rodas e fomos derrotados. Neste momento em que se aproxima a possibilidade de comparência em mais uma final europeia, confrontamo-nos com a ausência de dois atletas imprescindíveis na equipa, o que enfraquece manifestamente a sua força atacante. Agora digam-me se não é motivo para acreditar em profecias maléficas.
Andam por aí os Malfeitores do Freixo e a sua matilha amestrada, numa frenética polvorosa de que vão ultrapassar o Benfica em número de troféus conquistados: deixá-los ganir de tão alarve expectação. Podem, na verdade, coleccionar mais taças, mas nunca será a mesma coisa quando comparadas com as do nosso Clube. A diferença será sempre abissal. Os nossos triunfos serão todavia cristalinos e limpos, ganhos com suor e com honra, com dignidade e glória. Na sala deles, todos os troféus deverão ter as mais diversas etiquetas: - “ … este exala o perfume de puta do calor da noite, aquele roubado com violência e trafulhice, aqueloutro comprado através de corrupção num supermercado dos amigalhaços traficantes de influências, este ainda conseguido através de batota e da mentira”. De facto, nada terão a ver nunca com a transparência que os nossos irradiam, enquanto os deles terão sempre gravada a marca do descrédito e da suspeição. Deixai-os ganir!
Ouço e leio em muitos lados, até desgraçadamente em muitos blogues benfiquistas, que a Associação de Contumil é melhor e joga muito mais que o Benfica. Não vou por aí porque se trata de uma autêntica falsidade. Ah, eles jogam mais? Pudera! E como não hão-de jogar? Se lhes fizessem metade do que têm feito ao nosso Clube, poucos jogos ganhariam, ou se o Benfica praticasse as tratantadas que eles usam, até com os roupeiros ganhava e jogaria mais. Dizem muitos de nós que deixemos as desculpas da arbitragem e que joguemos mais. Boa treta! Furem os pneus dum carro que vai correr com outro e digam ao dono: - “… deixa lá os furos e trata mas é de correr.”
Aproxima-se a eliminatória da Liga Europa com o Braga. Em circunstâncias normais não temeria a insignificância de nenhum Braga temo, isso sim, os inexplicáveis colapsos do Benfica nos momentos precisos e este é um deles. Ver atravessado outra vez no  nosso caminho esse odioso grupo dos Malfeitores do Freixo - eles estão em todas, como as pragas maléficas - ser-me-á insuportável e, por isso, preferível evitá-los a todo o custo, pois num jogo só, a derrota será inevitável e, neste momento, mais uma derrota com esses ladrões, trará consequências devastadoras e reavivará pungentes humilhações. O que vou dizer será uma blasfémia, bem o sei, mas é o que, sinceramente, prefiro: para que esse quadro funesto não venha a acontecer, suportarei com muito maior estoicismo uma eliminação pelo Braga do que o próprio confronto com tão desprezível corja, pois, parafraseando a fábula: - “… sofrer-lhes uma injúria, será mais que a morte!”


4 comentários:

cfriacas disse...

A maldição do Guttman foi quebrada no ano passado pelo André Lima no futsal...

ps: a analogia do furo numa corrida de carros é brilhante. há que a disseminar!

Anónimo disse...

mas ele nao disse em 100 anos o benfica nao voltara a ser campeao europeu?? ganhar a liga europa nao e propriamente ser campeao europeu....vamos la acreditar.forxa benfica

FireHead disse...

Pelo contrário. Se essa maldição é mesmo verdade então é esta época que teremos de a quebrar duma vez por todas. A final de Dublin pode ser contra os suínos? Espero bem que não, mas se tiver de ser então que seja para ganhar!

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.